Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 18h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/06 às 18h23min

Bolsas de Nova Iorque fecham sem direção definida com nova queda do petróleo

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam sem direção definida nesta quarta-feira, 21, com os índices sendo pressionados principalmente por um novo declínio dos preços do petróleo, após dados apontarem para um aumento da produção da commodity no país. O Nasdaq, no entanto, encerrou no terreno positivo, ajudado pelos ganhos de gigantes da tecnologia.
O Dow Jones fechou em queda de 0,27%, para 21.410,03 pontos; o S&P 500 caiu 0,06%, para 2.435,61 pontos; e o Nasdaq avançou 0,74%, para 6.233,95 pontos.
Mais cedo, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA informou que as estoques de petróleo dos EUA tiveram queda de 2,451 milhões de barris na última semana, para 509,095 milhões de barris. Mas os estoques de destilado subiram 1,079 milhão de barris, para 152,495 milhões de barris.
Além disso, a produção de petróleo dos EUA subiu para 9,350 milhões de barris por dia na semana anterior, de 9,330 milhões de barris, fazendo com que os contratos de petróleo recuassem mais de 2% em ambos os lados do Atlântico.
Como resultado, o setor de energia em Wall Street verificou as piores perdas do dia. No terreno negativo, estão petroleiras como ExxonMobil (-1,06%), Chevron (-1,87%) e ConocoPhilips (-1,90%).
Já o setor de tecnologia ganhou impulso ao passo em que gigantes do ramo viram seus papéis avançarem. No terreno positivo estão Amazon (0,97%), Google (0,93%), Facebook (1,09%) e Apple (0,59%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia