Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 18h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/06 às 18h17min

Dólar termina no zero a zero à espera de novidades no cenário político

À espera de novidades no cenário político, o dólar operou nesta quarta-feira (21), na maior parte do pregão com volatilidade, fechando em leve baixa. Além de ser pautado pela cautela dos investidores com o futuro das reformas Trabalhista e da Previdência, e nova queda acentuada dos preços do petróleo, a moeda americana teve dia de realização de lucros, após atingir ontem o maior nível de fechamento em um mês.
O operador da corretora Hcommcor Cleber Alessie Machado Neto explica que o revés sofrido ontem pelo governo com a reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) foi bem ruim porque levou a uma preocupação maior com a aprovação da reforma da Previdência, o que tem gerado cautela.
Após passar pela CAS, o projeto da reforma trabalhista seguiu para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a oposição conseguiu abrir espaço na tramitação para duas audiências públicas e a leitura dos votos em separado ao projeto, e com isso a votação deve atrasar. A data de votação na CCJ está mantida para o dia 28, mas a votação no plenário deve ocorrer com uma semana de atraso, entre os dias 3 e 7 de julho. Ainda assim, a valorização da moeda americana seguiu contida por dois motivos.
"Os investidores acreditam que as reprovações do projeto da reforma trabalhista nas Comissões não possuem tanto efeito, uma vez que o projeto tem grandes chances de passar no plenário. Além disso, a alta do dólar tem sido controlada porque o mercado tem enxergado que, se a moeda atingir R$ 3,35, o Banco Central irá atuar, como fez em meados de maio", pontuou Machado Neto.
Para o operador de câmbio da corretora de Spinelli José Carlos Amado, o mercado ficou em um movimento pontual e cauteloso. "O giro continua fraco, com o investidor de olho em novidades no cenário político para avaliar o quanto isso pode atrapalhar as reformas", destaca.
O câmbio foi influenciado também por mais uma desvalorização acentuada do petróleo, que reflete diretamente nas moedas de países ligados a commodity.
No mercado à vista, o dólar terminou em leve baixa de 0,02%, aos R$ 3,3314. O giro financeiro registrado somou US$ 1,055 bilhão. Na mínima ficou em R$ 3,3151 (-0,50%) e, na máxima, aos R$ 3,3377 (+0,17%).
No mercado futuro, o dólar para julho avançou 0,25%, aos R$ 3,3435. O volume financeiro movimentado somava cerca de US$ 13,54 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,3225 a R$ 3,3450.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia