Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 00h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Notícia da edição impressa de 21/06/2017. Alterada em 20/06 às 20h23min

Em Moscou, Temer diz que quer incentivar exportação de carnes

O presidente Michel Temer afirmou que vai defender a venda de carnes brasileiras para Rússia para todas as empresas do país, sejam elas quem forem, e que a crise política "não atrapalha minimamente a economia brasileira". Prova disso, disse ele, é que o País cresceu 1% nos três primeiros meses do ano.
Autor das recentes denúncias contra o presidente, Joesley Batista é um dos donos da JBS, o maior produtor de proteína animal do mundo. A companhia opera no processamento de carnes bovina, suína, ovina e de frango, e na produção de alimentos. "O que eu quero é incentivar a exportação. Não importa de quem quer que seja", disse, após seminário em Moscou.
O risco de o Brasil ter problemas com um dos maiores importadores de carnes do mundo foi uma das razões pelas quais o presidente Michel Temer decidiu se ausentar do País por alguns dias e deixar em seu lugar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em Moscou, Temer saiu do epicentro da profunda crise política da qual é protagonista, iniciada pela delação premiada de Joesley, para tentar convencer o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que a produção brasileira de carnes e derivados continua passando por um sistema de controle sanitário confiável.
Em março deste ano, a Polícia Federal deflagrou uma operação que mostrou um esquema de corrupção envolvendo os maiores frigoríficos do País, incluindo a JBS. Essas empresas são acusadas de adulterar a carne que vendiam nos mercados interno e externo, com o aval de servidores públicos federais. A notícia causou perplexidade e preocupação aos países importadores, que, por outro lado, beneficiaram-se com a queda dos preços dessa commodity.
Temer defende o aumento do comércio com a Rússia, que, de 2011 a 2016, caiu mais de 40%. No período, as exportações brasileiras para o país, que somavam US$ 4,216 bilhões em 2011, caíram 45%, para US$ 2,299 bilhões. Cerca de 60% das importações de carnes pela Rússia são do Brasil.
O presidente também está fazendo propaganda de seu novo programa de concessões. Um dos destaques é a conclusão das obras da Ferrovia Norte-Sul.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia