Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 20/06/2017. Alterada em 19/06 às 20h47min

Carro autônomo estimula novos modelos de negócios

Estudo avaliou o potencial da chamada 'Economia de Passageiros'

Estudo avaliou o potencial da chamada 'Economia de Passageiros'


/Josep Lago/AFP/JC
A mobilidade vai mudar padrões de longa duração da propriedade, manutenção, operação e uso de carros, e já começa a transformar essa indústria. Um estudo apresentado recentemente pela Intel explora o potencial econômico que surgirá com os veículos autônomos, quando os motoristas se tornarem passageiros.
Com base nestes dados, a empresa de tecnologia prevê que a chamada "Economia de Passageiros" surgirá para suportar o tempo ocioso de quando os motoristas se tornarem passageiros em veículos autônomos e terá um forte crescimento de mercado, passando de US$ 800 bilhões em 2035 para US$ 7 trilhões até 2050. "As corporações devem começar a contemplar os veículos autônomos em suas estratégias a partir de agora", sugere o CEO da Intel, Brian Krzanich.
Ele comenta que, menos de uma década atrás, ninguém estava considerando o potencial do mercado de aplicativos ou da economia de compartilhamento prestes a emergir. Ou seja, ninguém via isso acontecendo. "É por isso que estamos iniciando a conversa sobre Economia de Passageiros, para despertar as pessoas para a quantidade de oportunidades que surgirão quando os carros autônomos se tornarem os dispositivos de geração de dados móveis mais poderosos que usamos, e as pessoas trocarem a direção por outra ocupação durante o percurso", analisa.
O estudo, encomendado pela Intel e preparado pela Strategy Analytics, projeta que as tecnologias de condução autônoma e das cidades inteligentes habilitarão a nova Economia de Passageiros gradualmente, reconfigurando indústrias inteiras e criando outras novas, graças ao adicional cognitivo e de tempo que ela desbloqueará.
A comercialização de veículos operados autonomamente ganhará força até 2040 - gerando uma fatia cada vez maior de valor projetado e anunciando o surgimento de serviços instantaneamente personalizados. A expectativa, por exemplo, é que sejam criados diversos serviços de conveniência sobre rodas, como salões de beleza, rápidos jantares casuais e clínicas de saúde. Produtores de conteúdo e mídia desenvolverão formatos de conteúdo personalizados para combinar com períodos longos e curtos de deslocamento.
"A tecnologia autônoma estimulará uma mudança em diversas indústrias e definirá um novo cenário, cujos primeiros negócios surgirão no setor B2B", diz o coautor do estudo Harvey Cohen, presidente da Strategy Analytics.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia