Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de junho de 2017. Atualizado às 16h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/06 às 16h57min

Ouro fecha em alta em Nova Iorque com preocupações sobre a economia dos EUA

Os preços do ouro subiram nesta quarta-feira (14) encerrando cinco sessões consecutivas de queda após dados dos Estados Unidos sugerindo fragilidade da economia.
Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato para agosto encerrou em alta de 0,57%, a US$ 1.275,90 por onça-troy.
Dados do Departamento do Trabalho norte-americano mostraram que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) teve queda de 0,1% em maio ante abril, resultado abaixo da previsão de analistas ouvidos pelo Wall Street, que estimavam estabilidade. O núcleo do CPI, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, teve alta de 0,1%, menor que a previsão de ganho de 0,2% dos analistas. Na comparação anual, o CPI subiu 1,9% em maio, abaixo dos 2,2% de abril e o núcleo avançou 1,7% no ano.
Paralelamente, as vendas no varejo nos EUA recuaram 0,3% em maio ante abril, a maior queda para um mês desde janeiro de 2016.
"Os dados fracos do varejo enfraqueceram o dólar e também começam a carregar para frente as expectativas de novas altas de juros", afirma Bill Baruch, estrategista sênior da corretora iiTrader.
Dados como os de hoje podem levar o Federal Reserve (Fed) a sinalizar um adiamento de novos apertos monetários.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia