Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de junho de 2017. Atualizado às 12h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

14/06/2017 - 12h46min. Alterada em 14/06 às 12h48min

Alimentos registram deflação de 0,44% no IPC-10 de junho, aponta FGV

A maior contribuição para a desaceleração veio do item hortaliças e legumes

A maior contribuição para a desaceleração veio do item hortaliças e legumes


FREDY VIEIRA/JC
Uma deflação de 0,44% no grupo Alimentação do IPC-10, dentro do Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de junho, compensou a aceleração dos preços da conta de luz. Com isso, o IPC-10 de junho registrou alta de 0,21%, exatamente a mesma variação de maio, informou nesta quarta-feira (14) a Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Puxado pelos preços do atacado, o IGP-10 recuou 0,62% em junho, após a queda de 1,10% em maio. Foi o terceiro mês seguido de deflação.
Assim como visto dos índices de preços de maio, a tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -1,13% para 4,76%, foi a maior contribuição de alta no IPC-10. O subíndice só não acelerou na passagem de maio para junho porque o grupo Alimentação desacelerou de 0,23% para -0,44%.
"Nesta classe de despesa, a maior contribuição para a desaceleração veio do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 7,15% para -4,55%", diz a nota divulgada mais cedo pela FGV.
Por causa de problemas em seu site na internet, houve atraso na divulgação do IGP-10 de junho, que deveria ter sido revelado às 8 horas desta quarta. Segundo a assessoria de imprensa do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, o site teve um número de acessos maior que o habitual, que causou a lentidão. O site do Ibre/FGV ficou em contingência até 8h45min, quando então voltou ao normal, ainda conforme a assessoria de imprensa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia