Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de junho de 2017. Atualizado às 17h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Alterada em 13/06 às 17h35min

Mercedes-Benz reduz previsão de alta para mercado de caminhões para estabilidade

O presidente da Mercedes-Benz, Philipp Schiemer, afirmou nesta terça-feira, que o fraco desempenho do mercado de caminhões em 2017, que cai 19,4% no acumulado de janeiro a maio, o forçou a rever para baixo a sua projeção para o segmento no ano inteiro. Antes, ele apostava em crescimento de 10%. Agora, diz que vai se sentir satisfeito se as vendas ficarem estáveis em relação a 2016.
"Nós já esperávamos um primeiro trimestre difícil, com uma recuperação a partir do segundo semestre, mas hoje isso está ameaçado. Pelo andar da carruagem (as vendas em 2017), que está bem abaixo do ano passado, temos pouco tempo para recuperar esse atraso", disse. "Tudo depende da instabilidade política, que não ajuda na recuperação, então hoje estou mais cético. Podemos ficar satisfeitos se repetir o resultado do ano passado", acrescentou.
Apesar de ter piorado a sua projeção para o ano, Schiemer continua acreditando que o segundo semestre será um pouco melhor do que o primeiro. "O efeito do agronegócio será maior e os juros estarão mais baixos, o que significa mais consumo de caminhão", disse. "Além disso, esperamos a volta da confiança com notícias boas, como o crescimento do PIB", afirmou em seguida.
Em relação às reformas do governo de Temer, o executivo disse que, se as propostas forem enfraquecidas, a confiança dos investidores será afetada. No entanto, ele acredita que, mesmo com a crise política, o saldo será positivo. "Acho que alguma coisa das reformas vai sair, talvez não tão forte como antes, mas a reforma trabalhista vai sair, o que já é um passo", destacou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia