Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de junho de 2017. Atualizado às 11h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Alterada em 13/06 às 11h25min

Mercado reduz para R$ 142,051 bilhões projeção para o déficit primário

Agência Brasil
Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda projetam que o déficit primário do Governo Central, formado por Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, deve chegar a R$ 142,051 bilhões neste ano. A estimativa é melhor do que a divulgada em maio (R$ 148,036 bilhões), mas supera a meta de déficit perseguida pelo governo (R$ 139 bilhões).
A estimativa consta da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em projeções do mercado financeiro. Para 2018, a estimativa do mercado financeiro é de déficit de R$ 127,446 bilhões contra R$ 125,124 bilhões previstos em maio.
A projeção da arrecadação das receitas federais este ano subiu de R$ 1,341 trilhão para R$ 1,345 trilhão. Para 2018, a estimativa é de R$ 1,451 trilhão, ante R$ 1,442 trilhão previsto anteriormente. Para a receita líquida do Governo Central a estimativa para este ano é R$ 1,144 trilhão, mesma projeção do mês passado. No caso da despesa total do Governo Central, a projeção passou de R$ 1,294 trilhão para R$ 1,290 trilhão.
A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve ficar em 75,47% do Produto Interno Bruto (PIB - a soma de todas as riquezas produzidas pelo país).
A previsão anterior era 75,44% do PIB. Para 2018, a estimativa ficou em 78,60% do PIB, ante 78,50% previstos no mês passado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia