Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de junho de 2017. Atualizado às 14h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

13/06/2017 - 10h43min. Alterada em 13/06 às 14h45min

Economia gaúcha interrompe 11 trimestres seguidos de queda

Thiago Machado/Arte/JC
A economia gaúcha ficou no 0 a 0 no primeiro trimestre de 2017, comparado com o mesmo período de 2016. O Produto Interno Bruto (PIB) Trimestral, apurado pela Fundação de Economia e Estatística (FEE), terminou estável de janeiro a março, sem queda ou crescimento. O grande saldo do indicador mais recente da atividade da economia gaúcha é que interrompeu 11 trimestres de queda.      
Já no confronto com o trimestre imediatamente anterior a atividade teve leve crescimento de 0,6%. A FEE considera a comparação com o mesmo período de cada ano para identificar a condição da economia. Os analistas destacaram que o desempenho do Estado ficou acima do obtido pelo País, que apresentou queda de 0,4% no primeiro trimestre frente ao mesmo período de 2016. Com isso, são 12 trimestres de quedas consecutivas na cena nacional. No confronto com o quarto trimestre de 2016, o Brasil avançou 1%.  
Os destaques do trimestre foram o crescimento da agropecuária (3,5%), da indústria de transformação (0,7%) e dos transportes (3,4%). As atividades que mais contribuíram com o crescimento foram a lavoura de arroz, graças a recuperação de perdas decorrentes de problemas climáticos em 2016, e a fabricação de veículos, direcionada para a exportação. Os impostos sobre produtos diminuíram 1,7%, influenciados pela queda do refino de petróleo, distribuição de energia e serviços de informação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia