Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de junho de 2017. Atualizado às 15h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/06 às 15h58min

Ouro fecha em baixa antes de reunião do Fed e com menor tensão política

O ouro fechou em baixa nesta segunda-feira com investidores à espera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A expectativa majoritária no mercado é de que o Fed decida na quarta-feira elevar os juros nos Estados Unidos.
O ouro para entrega em agosto fechou em queda de US$ 2,50 (0,20%), a US$ 1.268,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Juros mais altos tendem a pressionar o ouro, já que o metal não paga retorno, mas compete com ativos que garantem retornos. Segundo o CME Group, que monitora apostas do mercado na política monetária americana, 95,8% dos operadores acreditam que o Fed anunciará um aperto monetário nesta semana.
O ouro também devolveu ganhos gerados recentemente pelas incertezas políticas, já que elas diminuíram, após o depoimento no Senado de James Comey, ex-diretor do FBI, e da eleição no Reino Unido, os dois eventos na quinta-feira. Além disso, o resultado positivo do partido do presidente da França, Emmanuel Macron, no primeiro turno das eleições parlamentares francesas colaborou para reduzir a tensão com a política. "O sucesso do partido de Macron na primeira rodada das eleições parlamentares na França parece ter deixado os participantes do mercado um pouco mais relaxados", afirmaram analistas do Commerzbank. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia