Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de junho de 2017. Atualizado às 14h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

09/06/2017 - 14h19min. Alterada em 09/06 às 14h19min

Em Paris, Meirelles diz que investimentos voltam a crescer neste ano

Agência Brasil
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou hoje (9), em Paris, que os investimentos voltarão a crescer neste ano, apesar de expectativas de analistas do mercado financeiro projetarem queda. Meirelles conversou com a imprensa após encontro bilateral com o ministro de Economia da França, Bruno Le Maire.
"A tendência é um avanço do investimento na medida em que o pais já retomou a estratégia de crescimento", disse. Segundo o ministro, a crise política será resolvida em "prazo curtíssimo" ou em um período de tempo maior. "O fato concreto é que as perspectivas de crescimento se mantém", acrescentou.
Meirelles ressaltou que, nos últimos dois anos de recessão, o Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país), caiu cerca de 8%, enquanto os investimentos tiveram retração de 30%. "A tendência de recuperação dos investimentos é mais rápida, porque a queda foi maior e tem mais espaço."
O ministro disse esperar pela continuidade da tramitação da reformas trabalhista e da Previdência. "A minha expectativa é de que as reformas continuem. Pode ter um ajuste de cronograma, mas não deve ser prolongado", disse. "Não há mudança da disposição de fazer as reformas, que são fundamentais para o país. É fundamental para o país não só no médio e longo prazo, mas para o desempenho da economia este ano", acrescentou, afirmando ainda que respeita opiniões contrárias à reforma trabalhista, mas que considera que a maioria delas vê as mudanças como necessárias para dar maior flexibilidade e produtividade à economia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia