Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 17h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/06 às 17h16min

Petróleo fecha em baixa, ainda com preocupações sobre oferta e demanda

O petróleo tentou firmar uma recuperação nesta quinta-feira, mas fechou novamente em queda, em meio às atuais preocupações sobre a falta de equilíbrio entre oferta e demanda. No câmbio, o dólar um pouco mais forte em geral contribuiu para a redução no apetite dos investidores.
O petróleo WTI para entrega em julho fechou em queda de 0,17%, a US$ 45,64 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para agosto recuou 0,42%, a US$ 47,86 o barril, na ICE.
Investidores ainda avaliavam os dados divulgados na quarta do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Contrariando a expectativa, os estoques de petróleo tiveram alta forte na última semana, de quase 3,3 milhões de barris.
A produção continuou em patamar forte, embora tenha diminuído um pouco em relação à semana anterior. Com isso, continuou o quadro de ceticismo sobre se o esforço liderado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir a produção em várias nações será suficiente para equilibrar a oferta e a demanda e apoiar os preços.
No câmbio, o dólar se fortaleceu em geral, o que torna o petróleo, cotado nessa moeda, mais caro para os detentores de outras divisas e consequentemente reduz o apetite do mercado pela commodity.
Mesmo dados positivos da balança comercial da China, com exportações e importações acima do esperado, não foram suficientes para apoiar o petróleo, ao longo da sessão. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia