Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 15h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/06 às 15h35min

Bolsas europeias fecham sem direção única, com eleição britânica e BCE

As bolsas da Europa encerraram o pregão desta quinta-feira, 8, em direções mistas, pressionadas, por um lado, pela cautela com as eleições do Reino Unido e impulsionadas, por outro, pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). Nesta queda-de-braço, o índice pan-europeu Stoxx 600 terminou em leve queda de 0,01%, aos 389,15 pontos.
O tão esperado dia da eleição britânica chegou, e com ele a cautela dos mercados. Ainda que as apostas dos investidores, com base nas pesquisas, é de que o partido conservador, da primeira-ministra Theresa May, obtenha maioria dos assentos no Parlamento.
No entanto, como os levantamentos eleitorais no país entraram em descrédito desde o Brexit no ano passado, os operadores optaram por colocar o pé no freio. Os primeiros resultados oficiais devem sair no começo da madrugada de sexta-feira.
Assim, o índice FTSE-100, da bolsa de Londres, encerrou o pregão na mínima aos 7.449,98 pontos (-0,38%). Os papéis do Vodafone Group cederam 0,91% e do Barclays recuaram 1,32%.
"Os mercados parecem relativamente confiantes de que uma maioria (dos conservadores) ainda será alcançada, mas ainda sim preferiram a cautela hoje", afirmou o analista sênior de mercado da OANDA Craig Erlam.
Enquanto os britânicos foram às urnas, os conselheiros do Banco Central Europeu (BCE) se reuniram para decidir o futuro da política monetária da moeda comum. A instituição manteve inalteradas taxas de refinanciamento (0%) e depósitos (-0,40%) e destacou que um grau bastante substancial de acomodação ainda é necessário.
A manutenção dos estímulos à economia e a perspectiva de manutenção desta política empolgou os investidores de risco.
A bolsa de Frankfurt fechou em alta de 0,32%, aos 12.713,58 pontos, com destaque para as ações de empresas de energia nuclear, que se beneficiaram de uma decisão da corte suprema da Alemanha que afirmou ser inconstitucional o aumento de tributos para o setor. As ações da E.ON saltaram 4,20% e da RWE ganharam 2,28%.
O setor bancário ajudou e a bolsa de Milão teve a melhor performance entre os principais mercados europeus. O índice FTSE-Mib subiu 1,46%, para 21.042,41 pontos. As ações do Intesa Sanpaolo avançaram 1,02% e as do Banco BPM saltaram 2,28%.
O índice CAC-40, de Paris, oscilou bastante durante a sessão e terminou com leve queda de 0,02%, aos 5.264,24 pontos. As ações da ArcelorMittal subiram 1,90% e as da Orange recuaram 0,46%.
A bolsa de Madri subiu 0,75%, para 10.953,10 pontos, e a de Lisboa recuou 0,93%, a 5.240,37 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia