Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 11h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Alterada em 08/06 às 11h22min

Total de estabelecimentos de armazenagem cresce 0,1% no 2º semestre de 2016, aponta IBGE

Houve um aumento de 0,1% no número total de estabelecimentos ativos de armazenagem agrícola no segundo semestre de 2016, em relação aos seis primeiros meses do mesmo ano. O total alcançou 7.826 estabelecimentos no fim do ano passado, ante 7.818 no primeiro semestre. Os dados são da Pesquisa de Estoques, divulgados nesta quinta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
"O total de capacidade útil disponível no Brasil para armazenamento, registrado no segundo semestre de 2016, em estabelecimentos ativos na pesquisa, foi de 168,0 milhões toneladas, 0,9% maior que no semestre anterior", diz nota divulgada pelo IBGE. O estoque total somava 24,634 milhões de toneladas no fim do ano passado.
Segundo o IBGE, o Nordeste teve o maior acréscimo no número de estabelecimentos ativos (3,9%), enquanto a região Norte teve a maior queda (2,2%).
Em termos de capacidade instalada, os silos predominam, com 77,3 milhões de toneladas no segundo semestre de 2016, crescimento de 3,2%, informou o IBGE. "Na sequência, vieram os armazéns graneleiros e granelizados, que atingiram 64,3 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável, apresentando crescimento de 0,2%", diz o IBGE.
Nos armazéns "convencionais, estruturais e infláveis", a capacidade instalada somou 26,5 milhões de toneladas, "o que representou uma queda de 3,6% em relação ao primeiro semestre de 2016".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia