Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 00h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 08/06/2017. Alterada em 07/06 às 20h54min

Chuvas no Sul reduzem a zero risco de faltar energia

O aumento das chuvas na região Sul no mês passado reduziu o risco de desabastecimento de energia no Brasil. De acordo com informações divulgadas ontem pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), órgão presidido pelo Ministério de Minas e Energia (MME), as chances de faltar energia no Sudeste e Centro-Oeste e no Nordeste voltaram a zero.
No mês de maio, as chuvas ficaram em 168% da média histórica no Sul e atingiram 100% da média no Sudeste. No Norte, atingiram 60%, e, no Nordeste, 22%. Com isso, o nível dos reservatórios, no fim do mês passado, atingiu 71,7% no Sul, 65,7% no Norte, 43,3% no Sudeste/Centro-Oeste e 19,5% no Nordeste.
A previsão para o fim de junho é que o nível dos reservatórios atinja 96,3% de sua capacidade no Sul, 65,1% no Norte, 43,6% no Sudeste/Centro-Oeste e 17,3% no Nordeste.
No mês passado, 152,9 megawatts (MW) de energia foram adicionados ao sistema elétrico, além de 650,2 quilômetros de linhas de transmissão. Desde o início do ano, foram 2.346 MW adicionados e 972,7 quilômetros de linhas.
Com a continuidade da seca na região Nordeste, as usinas hidrelétricas da região estão com vazão reduzida para manter águas nos reservatórios da bacia do rio São Francisco. A vazão das usinas de Sobradinho e Xingó foi reduzida a 600 metros cúbicos por segundo. O governo vai analisar a necessidade de adotar medidas adicionais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia