Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de junho de 2017. Atualizado às 23h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 07/06/2017. Alterada em 06/06 às 21h24min

Maio foi o melhor mês nas exportações de veículos da história para as montadoras

No melhor mês das exportações de veículos da história, as montadoras embarcaram em maio 73,4 mil carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, uma alta de 51,1% na comparação com igual período de 2016. Frente a abril, os volumes exportados subiram 21%. O resultado leva para 307,6 mil veículos o total exportado nos cinco primeiros meses do ano, alta de 61,8% e também o maior volume acumulado, entre períodos equivalentes, da história.
Os números foram divulgados ontem pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entidade que representa as montadoras instaladas no País. O faturamento dessa indústria com exportações subiu 56,9% em maio, na comparação com igual período de 2016, chegando a US$ 1,47 bilhão.
Em relação a abril, houve alta de 19,9% no montante obtido pelo setor com embarques ao exterior. O resultado leva para US$ 6,04 bilhões - alta de 52,7% no comparativo interanual - o total faturado nos cinco primeiros meses do ano. Além de veículos, o balanço inclui as exportações de autopeças feitas pelas montadoras, assim como as vendas externas das fábricas de máquinas agrícolas.
Apesar do desempenho recorde, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, disse, durante a apresentação do resultado à imprensa, que o crescimento das exportações é insuficiente para compensar a fragilidade do mercado interno, o que faz a indústria automobilística seguir operando com ociosidade superior a 50%. Só nas fábricas de caminhões, a ociosidade gira ao redor de 80%.
As vendas de veículos tiveram alta de 16,8% no mês passado, se comparadas a maio de 2016. Entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, 195,6 mil veículos foram comercializados no País, 24,6% acima do número registrado em abril.
Nos cinco primeiros meses de 2017, os 824,5 mil veículos emplacados representaram um aumento de 1,6% em relação a igual período de 2016. Megale frisou que, desde o primeiro bimestre de 2014, o setor não mostrava crescimento em volumes acumulados.
As montadoras abriram 478 vagas no mês passado, incluindo nessa conta as fábricas de máquinas agrícolas, também associadas à Anfavea. A indústria automobilística terminou maio com 121,4 mil pessoas ocupadas. O número representa, porém, a eliminação de 6,58 mil postos se comparado ao total empregado pelas montadoras um ano atrás. Megale informou que, diante de uma ociosidade superior a 50%, 10,3 mil empregados das fábricas de veículos continuam trabalhando em esquemas de jornada restrita.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia