Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de junho de 2017. Atualizado às 12h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

alimentos

Alterada em 06/06 às 12h56min

Mesmo com queda, cesta básica de Porto Alegre é a mais cara do País em maio

Entre abril e maio, houve predominância de alta no preço da batata

Entre abril e maio, houve predominância de alta no preço da batata


MARCO QUINTANA/JC
Apesar de registrar queda de 0,76% no mês de maio, a cesta básica de Porto Alegre permanece sendo a mais cara do País. O custo do conjunto de alimentos passou de R$ 464,19 em abril para os atuais R$ 460,55. No ano, a cesta registra variação de 0,36% e em 12 meses de 3,88%. Os dados são da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), e foram divulgados nesta terça-feira (6).
Dos treze produtos que compõem o conjunto de gêneros alimentícios essenciais previstos, seis caíram de preço na avaliação mensal: o óleo de soja (-7,56%), a banana (-7,42%), o feijão (-6,78%), o açúcar (-4,86%), o arroz (-4,79%) e a carne (-0,68%). Em sentido inverso, seis itens ficaram mais caros: a batata (16,61%), a manteiga (3,30%), o café (1,23%), o tomate (1,20%), o pão (1,07%) e o leite (0,33%). A farinha de trigo foi o único item a não sofrer alteração de preço em maio (0,00%).
Além de Porto Alegre, outras 15 capitais brasileiras tiveram alta no custo mensal da cesta básica. Por outro lado, 11 registraram queda no valor. As maiores quedas foram registradas em Fortaleza (-4,39%), Palmas (-4,25%), Salvador (-4,18%) e Vitória (-2,20%). Já as elevações mais significativas foram observadas em Recife (2,89%), São Paulo (2,83%) e Aracaju (1,96%).
Entre abril e maio, houve predominância de alta no preço da batata, pesquisada nas regiões Centro-Sul, da manteiga e do café em pó. Óleo de soja, açúcar e arroz tiveram redução média de valor na maior parte das cidades.
Porto Alegre foi a cidade com a cesta mais cara (R$ 460,65), seguida por São Paulo (R$ 458,93), Florianópolis (R$ 446,52) e Rio de Janeiro (R$ 442,56). Os menores valores médios foram observados em Rio Branco (R$ 333,15) e Salvador (R$ 351,31).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia