Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 06/06/2017. Alterada em 05/06 às 22h36min

Guerra não apresenta solução para salários atrasados

Reunião com o MPT e representantes da empresa terminou sem acordo

Reunião com o MPT e representantes da empresa terminou sem acordo


LLUME COMUNICAÇÃO/LLUME COMUNICAÇÃO/DIVULGAÇÃO/JC
O Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul deverá tomar providências jurídicas para assegurar o cumprimento de acordo que prevê o pagamento dos direitos trabalhistas dos funcionários da empresa Guerra. Ontem, durante encontro conduzido pelo gerente regional do Ministério Público do Trabalho (MPT), Vânius Corte, e pelo procurador do trabalho Ricardo Garcia, a empresa não apresentou uma proposta aos trabalhadores, apesar de reconhecer os constantes atrasos de salários.
"Os salários atrasados trazem transtornos que atingem toda a família do trabalhador. A empresa não demonstrou respeito com eles e vamos tomar providências", ressaltou o presidente do Sindicato, Claudecir Monsani. No início da manhã, os trabalhadores fizeram um protesto em frente a empresa. Além dos salários, os metalúrgicos também estão sem o depósito do fundo de garantia e com as férias atrasadas.
A Guerra está em recuperação judicial desde 2015, com dívida avaliada em R$ 240 milhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia