Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 19h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/06 às 19h08min

Ibovespa cai 0,10% em dia marcado por cautela dos investidores

Em mais um dia de baixo fluxo e alternância de sinais, mas com predomínio de baixa, o comportamento do Ibovespa refletiu o sentimento de cautela dos investidores receosos de tomar posição mais firme diante da incógnita que pode vir do julgamento da chama Dilma-Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), marcado para começar amanhã à noite. O principal índice do mercado de ações fechou em queda de 0,10% nesta segunda-feira (5), aos 62.450,45 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,67 bilhões.
Luis Gustavo Pereira, estrategista da Guide Investimentos, chama a atenção para o fato que de o Ibovespa rompeu o suporte de 62 500 pontos, um marco importante considerando a média móvel de 200 períodos. Segundo ele, o cenário pode ficar mais claro se perder o suporte dos 62 mil pontos. Depois disso, lembra, os 57 mil pontos é outro marco importante de suporte.
Para Pereira, o dia de hoje antecede evento relevante, onde diversas possibilidades de desfecho se colocam para a continuidade do governo do presidente Michel Temer: desde decisões favoráveis do TSE, negativas - como a cassação da chapa Dilma-Temer -, e até a protelação do caso, com um pedido de vistas. "Se a coisa se arrastar, tira a possibilidade de as reformas avançarem, tira a melhora dos índices de confiança e deixa o governo extremamente vulnerável, em situação semelhante ao que vimos no fim do governo Dilma Rousseff", afirmou. "Isso traria perda de confiança e o mercado iria precificar, ainda mais se houver o desembarque do PSDB", completou.
Por outro lado, disse Hersz Ferman, economista da Elite corretora, se Temer for absolvido, o apoio político pode aumentar bastante e volta a confiança em passar reformas. Importante lembrar que amanhã está marcada a votação da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado e os investidores estarão atentos sobre as demonstrações de força política do governo se o projeto passar.
Apesar da tensão, o Ibovespa conseguiu segurar a queda por causa da Petrobras e de ações específicas de bancos. As ações da estatal seguiram em alta durante todo o pregão a despeito da queda nas cotações dos contratos de petróleo no mercado internacional. Segundo operadores, os papéis da estatal hoje tiveram como norte tanto o movimento positivo das empresas ligadas à commodity no exterior quanto notícias de que o presidente da estatal brasileira, Pedro Parente, sobre a melhora em regras de governança da empresa e a possibilidade de elevar a frequência de alterações nos preços dos combustíveis. Os papéis fecharam em alta de 1,0% (PN) e 1,75% (ON).
O setor financeiro respondeu, em uma parte do dia, às viradas do Ibovespa para o terreno positivo, com exceção das ações do Banco do Brasil ON (-1,71%), que refletem o risco político doméstico. No fim do pregão, as principais instituições tinham sinal negativo. No entanto, as units do Santander avançaram e fecharam o dia com valorização de 2,80%. Segundo analistas, isso ocorreu porque há uma desvalorização de quase 10% (9,36%) no ano e está havendo certa recuperação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia