Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Notícia da edição impressa de 06/06/2017. Alterada em 05/06 às 20h48min

Iata eleva projeção de lucro de aéreas da América Latina em 2017

MOVIMENTO DE AVIÕES E PASSAGEIROS NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO, DE PORTO ALEGRE

MOVIMENTO DE AVIÕES E PASSAGEIROS NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO, DE PORTO ALEGRE


/MARCOS NAGELSTEIN/JC
A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) elevou suas projeções para o lucro das companhias aéreas da América Latina em 2017. Agora, a entidade espera que, juntas, as empresas lucrem US$ 800 milhões - a estimativa anterior era de US$ 600 milhões.
A entidade ainda informa que a demanda de passageiros na região deve aumentar 7,5% neste ano, índice superior ao projetado para o crescimento da capacidade, de 6,7%. Os dados foram informados ontem durante a 73ª Assembleia Geral anual da entidade, em Cancún, no México.
Segundo a associação, o continente está vendo um ambiente ligeiramente mais positivo para o comércio, com o Brasil emergindo da recessão econômica. No entanto a Iata ressalta que as instabilidades políticas persistem em muitos mercados, e que os custos de combustível crescentes em dólar continuam representando desafios para as empresas.
A Iata ainda afirma que a região sofre com problemas regulatórios ligados aos direitos dos passageiros e que, na Venezuela, o caos político torna improvável que as receitas das companhias aéreas que estão bloqueadas para repatriação, de cerca de US$ 3,8 bilhões, sejam recuperadas no curto prazo.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia