Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 17h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/06 às 17h51min

Petróleo recua enquanto investidor avalia impacto de tensões no Oriente Médio

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta segunda-feira, revertendo os ganhos observados mais cedo, na sequência do rompimento das relações entre a Arábia Saudita e três outros países árabes com o Catar, acusado de apoiar o terrorismo.
O petróleo WTI para julho negociado em Nova York fechou em queda de US$ 0,26 (-0,54%), a US$ 47,40 o barril. Em Londres, o Brent para agosto fechou em queda de US$ 0,48 (-0,96%), a US$ 49,47 o barril.
Arábia Saudita, Egito, Bahrein e Emirados Árabes Unidos romperam com o Catar, acusando o país de se intrometer em seus assuntos internos e apoiar o terrorismo. A princípio, a notícia deu impulso ao petróleo, mas no fim da manhã os ganhos foram invertidos, enquanto os participantes avaliavam o impacto de tais informações no acordo de corte de produção firmado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Na semana passada, o petróleo caiu mais de 4%, no maior recuo semanal desde o maio, após a frustração dos investidores com o resultado da última reunião da Opep, quando o cartel decidiu não aumentar os cortes de produção.
Os participantes do mercado observarão se o Catar, membro da Opep, decide se retirar do acordo. No final do ano passado, o cartel concordou em reduzir sua produção em 1,2 milhão de barris por dia para aliviar a oferta e equilibrar os preços.
Analistas observam que nem mesmo as tensões entre a Arábia Saudita, vista como líder do grupo, e o Irã os impediram de chegar a um acordo. Enquanto isso, os investidores estão impacientes para ver o efeito dos cortes nos estoques globais de petróleo.
"Não ficou claro qual impacto esse racha terá no mercado", disse o analista de futuros do Citi, Tim Evans. "Assim como as tensões internacionais entre a Arábia Saudita e o Irã, isso pode não trazer mudanças no nível de cooperação sobre a produção", completou.
Os traders do mercado de petróleo são sensíveis a tensões no Oriente Médio, uma vez que se preocupam com a interrupção da produção da matéria-prima, embora o Catar seja um dos menores produtores entre os vizinhos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia