Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 16h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 01/06 às 16h15min

Ouro fecha em baixa em Nova Iorque após dado forte do mercado de trabalho dos EUA

O ouro fechou em queda nesta quinta-feira (1) após um dado mais forte que o previsto do mercado de trabalho dos Estados Unidos reforçar a expectativa de elevação de juros na próxima reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), neste mês.
O ouro para entrega em agosto fechou em baixa de US$ 5,30 (0,42%), a US$ 1.270,10 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
A contratação de funcionários no setor privado dos EUA atingiu no mês passado o ritmo mais forte desde 2014, segundo a Automatic Data Processing (ADP). As companhias privadas pelo país adicionaram 253 mil nomes às folhas de pagamento em maio, bem acima da previsão de 180 mil dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal.
Os investidores têm monitorado dados econômicos recentes em busca de sinais de que a economia americana ganha impulso, após um primeiro trimestre mais fraco. Muitos esperam que o Fed eleve os juros em um ritmo mais rápido se o crescimento acelerar, o que pressionaria o ouro. O metal enfrenta dificuldades para competir com ativos que pagam retorno quando os juros sobem.
Os participantes do mercado esperam agora a divulgação do relatório oficial de criação de vagas (payroll), nesta sexta-feira. O dado é considerado uma importante medida de quão bem vai a economia americana. "O dado de empregos de amanhã é o número mais importante entre os que o Fed olha", resumiu Ira Espstein, estrategista do Linn Group. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia