Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 23h31.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Marco A. Birnfeld

Espaço Vital

Notícia da edição impressa de 27/06/2017. Alterada em 26/06 às 19h53min

O aumento da ansiedade

Situações que descrevem alguns dos sintomas de ansiedade (medo em relação ao futuro, palpitações, insônia, falta de ar) têm levado mais pessoas a ficarem afastadas do trabalho.
Dados da Secretaria de Previdência mostram que as concessões de auxílio-doença por transtornos de ansiedade cresceram 17% em quatro anos. Foram 22,6 mil em 2012; passaram a 26,5 mil em 2016.
A ansiedade já responde por dois em cada 10 afastamentos por transtornos mentais e comportamentais, categoria que também abrange a depressão, transtornos bipolares, esquizofrenia e problemas relacionados ao uso de drogas, por exemplo.
Fica atrás apenas de depressão, que responde por três em cada 10 concessões desse tipo de benefício.
O auxílio-doença é previsto para segurados do INSS acometidos por doenças e incapazes de continuar o trabalho. O grande número de afastamentos por transtornos mentais chama a atenção de médicos, defensores públicos e representantes do governo.
Para especialistas, o aumento é explicado por alguns fatores. Entre eles, segundo a Previdência, "a crise econômica e a maior conscientização sobre transtornos como a ansiedade, o que colabora para a busca por diagnóstico e tratamento".
 

Primorosa carreira na televisão


REPRODUÇÃO/JC
O anúncio nos classificados do grande jornal foi insinuante: "Empresa com 15 anos de credibilidade busca atores e atrizes sem experiência, para trabalhos em novelas e programas de TV no Rio de Janeiro. Garantimos (100%) pelo menos uma participação".
Por isso, algumas sonhadoras embarcaram em 24 horas de modorrenta viagem de ônibus, ao Rio de Janeiro. Antes emitiram 10 cheques (R$ 200 cada), para pagamento da viagem e da hospedagem. O lero-lero dos recrutadores prometia que "o seu investimento de agora será coberto pelos rendimentos de seu futuro trabalho na televisão".
Na cidade maravilhosa (?), hospedadas em hotel de segunda categoria, em Copacabana, todas foram convidadas a fazer uma opção: a) fazer nu; b) não fazer nu. Após eram chamadas para a avaliação individual.
Depois de sumariamente constatar que as que respondiam "não", após rápidas entrevistas eram excluídas dos trabalhos, a Antonieta sentiu-se - digamos - pressionada a entrar na fila do "sim". Passou, então, a uma sala onde foi recebida por três homens e uma "supervisora". Após rápida conversa, a candidata recebeu ordens para ir ao banheiro e tirar a roupa. Assim fez e...foi aprovada!
Após o teste, Antonieta participou, como figurante, das gravações de dois seriados - tudo num dia. À noite, ela foi transportada por uma van do estúdio até o hotel. No veículo, foi assediada sexualmente por um dos organizadores. Na manhã seguinte sofreu as consequências: foi afastada da continuidade dos trabalhos - pura represália ao episódio de recusa da noite anterior.
De volta ao Sul, Antonieta tocou uma ação contra os promotores da caminhada artística, buscando indenização pelo assédio sofrido. A contestação sustentou que o teste sem roupas "era necessário para constatar se as candidatas eram tatuadas, ou não - até porque a emissora não aceitava marcas na pele".
No depoimento pessoal, Antonieta detalhou: "A gente entrava, ia para o banheiro, tirava toda a roupa e ia para a frente deles. Eram uma mulher e três homens. Um deles dava as ordens: 'Vira de costas, agora'. Tinha um velho de olhos arregalados, parecia um tarado".
A prova oral comprovou a tese da inicial. A sentença dimensionou que "não havia razão para a nudez total, na medida em que a forma física das candidatas poderia ser averiguada, por exemplo, mediante a utilização de roupas de praia".
No tribunal, o relator considerou que "se o intuito era unicamente o exame da beleza corporal das autoras, não havia necessidade de grande contingente de pessoas do sexo masculino no local, até porque a emissora buscava só figurantes...".
A agência de modelos pagou a conta da condenação: R$ 30 mil, mais correção e juros. Estimuladas pelo precedente, outras jovens - partícipes da mesma viagem e optantes da fila do "sim" - estão alinhavando ações semelhantes.
E a rede de televisão rompeu o "convênio" para que a ré seguisse recrutando outras "figurantes para minisséries"...
 

Macumba futebolística

O fracasso de dois destacados gremistas também viralizou no WhatsApp, poucos minutos depois do insucesso dominical na Arena.
A partida teria sido apenas um ritual de macumba: "o Marcelo Grohe levou o frango; o Luan se encarregou da pipoca".

Frases irreprimíveis

"Esperamos uma limpeza e que sejam encontradas boas soluções."
(Primeira-ministra da Noruega, sobre a Lava Jato, em pronunciamento "tête a tête" com o presidente Michel Temer, na semana passada)
"Há alguém da família real que queira ser rei ou rainha? Eu não acho que há."
(Príncipe Harry)

Mudança de atitude

A Google vai encerrar uma de suas práticas de publicidade mais controversas: anúncios dentro do Gmail que escaneiam o conteúdo de mensagens enviadas pelos usuários.
A decisão não veio da equipe de comercialização de espaços, mas sim da Google Cloud, sua unidade de negócios na "nuvem", que busca posicionar-se de modo a atrair mais clientes corporativos.
A apresentação de anúncios com base em dados "espionados" e "lidos" de mensagens trocadas por usuários do Gmail gratuito deu origem a muitas ações indenizatórias na Justiça dos EUA. Gerou também algumas das críticas mais duras feitas à empresa.

Palavras difíceis

Viralizou no WhatsApp, parte do teste (informal) de leitura e dicção a que policiais cariocas, nas blitze "Balada Segura", submetem objetivamente motoristas com primeiros sintomas de alcoolemia.
Os suspeitos são convidados a ler dois tipos de cartazes. Primeiro, as palavras difíceis de dizer quando se está bêbado: "Indubitavelmente, preliminarmente, proliferação e inconstitucional". Na sequência, as palavras muito difíceis: "Especificidade, transubstanciado, três tigres".
E como arremate, um termo muito usado por operadores jurídicos: "verossimilhança".
Policiais garantem que o teste é infalível.

Muito linda, muito lida

Até quando não está presente, a primeira-dama Marcela Temer chama mais atenção do que o marido.
Nas redes sociais, a notícia mais comentada na semana passada foi a proeza, em Moscou, de um deputado russo pego no flagra pesquisando fotos da mulher de Michel Temer na internet.

Discriminação por idade

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) reconheceu a existência de discriminação em resolução do Banco do Estado do Espírito Santo S.A. (Banestes) que incentivou uma bancária a aderir ao Plano Antecipado de Afastamento Voluntário em razão da idade. O julgado considerou "discriminatória" a dispensa dela e condenou o banco ao pagamento de indenização por dano moral de R$ 80 mil e por dano material, a ser apurado em liquidação de sentença.
A trabalhadora, que havia perdido a ação nas instâncias anteriores, comprovou que o banco estabeleceu política de renovação mediante a qual rescindiu os contratos de emprego de mulheres com mais de 48 anos de idade.
Na reclamação trabalhista, a bancária pediu indenização por danos morais e materiais, sustentando que, dispensada às vésperas de obter o direito à aposentadoria integral, não seria mais aceita no mercado de trabalho. (Proc. nº 73000-64.2010.5.17.0008).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia