Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 00h15.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 25/05/2017. Alterada em 24/05 às 21h33min

Aprovado programa que apoia contratação de jovens

Vereador André Carús diz que projeto é 'vitória da cidade'

Vereador André Carús diz que projeto é 'vitória da cidade'


MARCELO G. RIBEIRO/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Em dia de pauta enxuta, a Câmara Municipal aprovou com 30 votos favoráveis e apenas um contrário o projeto de lei complementar que estabelece o Programa Municipal do Primeiro Emprego. O projeto, de autoria do vereador André Carús (PMDB), permite que empresas paguem menos impostos se aderirem ao programa, tendo recolhimento de alíquota mínima de 2% do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), como forma de incentivo para contratação de jovens que não tenham tido empregos anteriormente.
De acordo com Carús, programas de inclusão para jovens já existem em Porto Alegre, o que é o caso do Unipoa, focado em universidades, e que funciona nos mesmos moldes fiscais do Primeiro Emprego. Segundo o vereador, o projeto dá oportunidades a "25% da população de Porto Alegre para ingressar no mercado de trabalho".
Juntamente ao projeto, o plenário aprovou uma emenda da vereadora Mônica Leal (PP), que amplia a abrangência etária do programa, que seria de 16 anos a 24 anos e agora seguirá até os 29 anos, e determina que a prefeitura pode, caso haja dinheiro no caixa, dar alguma forma de benefício previsto na lei sobre isenções fiscais e tributos de competência.
Com a emenda, se removeu pontos previamente inclusos no projeto, como os que indicavam um percentual mínimo de vagas em empresas sendo dedicados a jovens, além da obrigatoriedade de que empresas que façam parte do programa sejam necessariamente inscritas no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia