Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de maio de 2017. Atualizado às 18h49.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 24/05 às 18h54min

Senadores param votações após decreto que autoriza uso de Forças Armadas

O decreto do presidente Michel Temer que autoriza a atuação das Forças Armadas contra protesto em Brasília colocou por terra as tentativas do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), de dar normalidade e continuidade às votações no plenário. Senadores da oposição e da base começaram a se manifestar contra a decisão do presidente.
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) leu o decreto de Michel Temer em plenário, o que incitou as manifestações. "Isso aqui abre um precedente grave no País. Estamos caminhando para o imponderável neste País e podemos estar caminhando para um regime de exceção, que é gravíssimo para a nossa democracia", afirmou a senadora.
Ela contou com apoio de senadores da base, que também demonstraram perplexidade com o decreto. Quando Eunício tentou dar sequência às votações, afirmando que não havia sido ele quem pediu a atuação das forças armadas, o senador Telmário Mota (PTB-RR) afirmou que ele estava ignorando a situação de calamidade que se formava lá fora, à frente do Congresso Nacional.
"O senhor é o presidente do Congresso, o senhor está tocando a ordem do dia do Senado e esquecendo que o exército brasileiro está nas ruas para conter manifestantes contra as reformas. O senhor está ficando de costas para um problema gravíssimo que está acontecendo. O senhor deveria ligar ao presidente para saber qual a dimensão disso", argumentou Telmário.
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) usou a Constituição para afirmar que o presidente não poderia convocar as Forças Armadas nessas condições. "A atuação das forças armadas para garantia da lei e da ordem ocorrerá após esgotados os instrumentos destinados à preservação da ordem pública. A única ameaça às instituições nesse momento é a permanência de Michel Temer na presidência da República. O que o presidente fez foi, na prática, utilizar o estado de defesa", criticou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia