Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de maio de 2017. Atualizado às 15h26.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

Alterada em 24/05 às 15h27min

Câmara decide manter salário e auxílio-saúde de deputado da mala

Folhapress
A Mesa Diretora da Câmara decidiu nesta quarta-feira (24) manter o pagamento do salário e a assistência-saúde do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Com isso, além do salário de R$ 33.763, Rocha Loures poderá continuar acessando o departamento médico da Câmara, terá direito a manter o plano de saúde dos servidores do Legislativo e a ressarcimento de consultas, exames e cirurgias.
Na semana passada, o comando da Câmara decidiu suspender o chamado "cotão", a verba de gabinete e o auxílio-moradia do deputado.
Rocha Loures aparece citado pelo presidente Michel Temer como seu homem de confiança e com quem Joesley Batista, da JBS, poderia tratar "tudo".
Ele também foi flagrado recebendo uma mala em que, segundo delações da JBS, havia R$ 500 mil em propina. Ele devolveu a mala com R$ 35 mil a menos.
Em entrevista à Folha de S.Paulo, o presidente tentou se distanciar do deputado e disse que ele "certamente foi seduzido por ofertas mirabolantes e irreais". O deputado foi assessor pessoal de Temer desde que o peemedebista assumiu o Planalto -já trabalhava com ele na Vice-Presidência. O PMDB seguiu Temer e também passou a rifar Loures.
Na segunda-feira (22), a PGR (Procuradoria Geral da República) recorreu da decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), que indeferiu a prisão preventiva de Rocha Loures.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia