Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 20 de maio de 2017. Atualizado às 14h04.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

Alterada em 20/05 às 14h10min

PSB fechará questão por diretas e pedirá renúncia de Temer, diz secretário-geral

O PSB deve publicar em breve uma nota em que determina fechamento de questão pela PEC de eleições diretas. A comissão executiva nacional do partido está reunida em Brasília para definição de ações contrárias ao governo Temer.
O secretário-geral do partido, Renato Casagrande (ES), afirmou que o PSB vai pedir a renúncia imediata de Michel Temer e fechar questão nas votações a favor de eleições diretas para presidente "Não podemos dizer que saímos de um governo que nunca entramos. Mas quem pede renúncia do presidente com certeza não é independente", afirmou.
Além do ex-governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, a reunião da comissão executiva conta com a presença do presidente do PSB, Carlos Siqueira, dos senadores Lídice da Mata (BA) e João Capiberibe (AP), do deputado Júlio Delgado (MG), do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, entre outros
"O partido vai caminhar para a oposição completa ao governo", afirmou Delgado. O deputado confirmou que o partido vai pedir a renúncia de Temer, além de celeridade no julgamento de cassação da chapa Dilma-Temer no TSE. "Não podemos esperar até 6 de junho", avalia.
De acordo com Delgado, a situação do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, ainda será definida pela comissão executiva. Os integrantes ainda não entraram em acordo se devem escrever explicitamente na nota que o partido abandonará os cargos.
"Talvez ele seja até implicado a pedir licença do partido para continuar exercendo o cargo. Não foi resolvido, mas a posição do partido é clara. Se ele quiser ficar no navio, tocando o violino do Titanic, essa é uma opção dele", afirmou Delgado.
O senador Fernando Bezerra Coelho, pai do ministro de Minas e Energia, não chegou à reunião da executiva até o momento, apesar de integrar o grupo. O senador tem mantido apoio ao presidente Michel Temer.
Em entrevista ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, Bezerra avaliou como "positivo" o pronunciamento do presidente Michel Temer e afirmou que é necessário "cautela e prudência" do PSB sobre decisão de permanência do partido na base. "Está todo mundo conversando, não temos uma posição final. Vamos ver como será a decisão amanhã", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia