Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 23h26.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Notícia da edição impressa de 16/05/2017. Alterada em 15/05 às 21h43min

Ministério Público volta a pedir cassação de Temer e inegibilidade de Dilma ao TSE

O Ministério Público Eleitoral (MPE) enviou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) novo parecer a favor da cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014.
A nova manifestação foi entregue na sexta-feira e se refere ao processo em que o PSDB pediu a cassação do resultado das eleições. 
O novo parecer repete o posicionamento feito pelo vice-procurador eleitoral, Nicolau Dino, enviado ao TSE em março, antes da interrupção do julgamento. De acordo com o procurador, além da cassação da chapa, o tribunal também deve considerar a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) inelegível por oito anos.
A novidade na manifestação é a inclusão dos depoimentos de delação premiada dos publicitários João Santana e Mônica Moura, responsáveis pelas campanhas eleitorais do PT. Nos depoimentos, o casal citou suposto recebimento de propina na campanha por Dilma.
Na sexta-feira, o relator da ação no TSE, Herman Benjamin, encaminhou aos demais ministros da corte o complemento do relatório final do processo.
A próxima etapa será a retomada do julgamento, que foi suspenso no mês passado para novo prazo de alegações para as defesas. Caberá ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, marcar a data do julgamento, que deve ocorrer a partir da última semana de junho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia