Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 23h26.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Municipalismo

Notícia da edição impressa de 16/05/2017. Alterada em 15/05 às 21h33min

Prefeitos se reúnem em Brasília para debater reformas

Acontece nesta semana a XX Marcha Nacional dos Prefeitos, que reúne gestores municipais e autoridades do Legislativo e Executivo em Brasília. Organizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o encontro deste ano tem como pauta central as reformas trabalhista, previdenciária e tributária. Ontem, a Câmara dos Deputados realizou uma sessão plenária especial para recepcionar os prefeitos.
Para hoje a expectativa é de participação do presidente Michel Temer (PMDB) e de ministros na abertura oficial da marcha. O presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e prefeito de Arroio do Sal, Luciano Pinto (PDT), está na capital federal e diz que o Estado compartilha da pauta nacional.
Um dos principais interesses das prefeituras é a possibilidade de alteração na maneira como são distribuídos os recursos arrecadados com o Imposto sobre Serviço (ISS) no uso de cartão de crédito e débito, que hoje são repassados aos municípios-sede do cartão. Essa medida foi vetada pelo presidente Temer no final do ano passado, mas pode ser negociada com o Planalto, que busca apoio para outras pautas, como a reforma da Previdência.
Luciano Pinto entende que o encontro é também uma oportunidade de diálogo dos prefeitos com os deputados federais e senadores. Ele pede mais atenção dos parlamentares para consultar os prefeitos quando forem votar matérias que gerem custos aos gestores municipais. "Não adianta dizer que é municipalista e depois votar contrário aos interesses do município", alerta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia