Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições

Alterada em 15/05 às 17h44min

'Não sou candidato; tudo a seu tempo', diz Doria ao Financial Times

Repetindo que não é candidato a cargo público em 2018, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), sugeriu que a definição sobre uma eventual candidatura sua em 2018 será tomada no ano que vem. Em entrevista ao Financial Times, em Nova Iorque, o tucano disse que há um cansaço dos brasileiros em relação à classe política e uma injustiça ao generalizar todos.
"Eu não sou candidato. Eu sou prefeito da cidade de São Paulo e a minha missão, a minha obrigação, é continuar sendo um bom prefeito. E tudo a seu tempo. 18 em 18", disse Doria na entrevista, que foi transmitida por sua página no Facebook.
Também nos Estados Unidos, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), padrinho político de Doria, voltou a falar que está preparado para ser candidato a presidente pelo partido. O prefeito afirmou que no próximo ano os eleitores deverão votar em quem oferece alternativas de gestão na administração pública.
"Eu acredito na retomada do conceito de que é mais importante acreditar em candidatos que possam oferecer alternativas de gestão, de eficiência para a administração pública brasileira", afirmou o prefeito. Falando sobre seu perfil, o tucano repetiu seu jargão ao dizer que não é político.
Doria destacou que espera a aprovação das reformas previdenciária e trabalhista em 2017 e que o ano que vem seja "coroado" com a eleição de candidatos que tenham compromissos verdadeiros com o Brasil, "e não ideologicamente inspirados". O prefeito reconheceu que há um descontentamento no País com a classe política por causa dos casos de corrupção. "Há um certo cansaço da população em relação à classe política, ainda que injusto ao generalizar", disse.
Mais uma vez, o tucano criticou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e disse que não será com o petista que o Brasil vai mudar depois de a imagem do País ter sido "colocada no chão" durante as gestões petistas.
"Mas essa é uma decisão soberana, o povo deve decidir, além da Justiça, já que Luiz Inácio Lula da Silva tem cinco processos que ele está respondendo criminalmente", declarou.
Ele voltou a culpar os governos de Lula e Dilma Rousseff por "produzir" 14 milhões de desempregados e o maior "assalto ao dinheiro público" na Petrobras. O tucano disse ainda que houve pagamento de políticos e a compra de "juízes, facilidades, luxos, lanchas, automóveis de luxo, apartamentos e obras de artes" com dinheiro da corrupção.
O prefeito afirmou que acredita na valorização de uma política mais liberal no Brasil. Nesse contexto, ele afirmou que as propostas do presidente Michel Temer (PMDB) em reformar a Previdência e as relações trabalhistas não foram bem comunicadas pelo governo, mas que isso foi corrigido na sequência.
"A comunicação não foi bem feita. Agora, sim, está correta e o apoio cresceu. Tenho convicção que podemos aprovar essas duas reformas no Congresso Nacional", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia