Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 12/05/2017. Alterada em 11/05 às 21h11min

Acesso à Casa será garantido com 'restrições', diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniu, nesta quinta-feira, com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, para tratar da decisão do também ministro da Corte Edson Fachin de garantir o acesso do público ao Congresso. As informações são da Agência Brasil.
O ministro concedeu, na quarta-feira, três liminares em favor dos pedidos de habeas corpus impetrados pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), pelo Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal) e pelo Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário.
A ação das entidades foi motivada pela restrição de acesso do público ao Congresso Nacional na última terça-feira, quando ocorreu a última reunião da comissão especial da reforma da Previdência, que finalizou a votação dos destaques ao texto-base da reforma. A decisão da presidência da Câmara de reforçar a segurança foi anunciada depois que agentes penitenciários contrários à reforma invadiram o plenário da comissão.
A ocorrência interrompeu a votação dos destaques e gerou polêmica em torno dos limites de acesso ao Congresso. Vários parlamentares da oposição criticaram as mudanças no esquema de segurança, que contou com o reforço de policiais militares e agentes da Força Nacional. As vias de acesso ao Congresso foram parcialmente bloqueadas e cercadas para evitar a aproximação de grupos de manifestantes.
"Foi uma reunião muito boa, onde eu pude explicar os motivos de uma restrição um pouco maior na terça-feira desta semana e também ouvir do ministro Fachin, a extensão da decisão dele, independente de opiniões pessoais, nós vamos deixar de respeitar uma decisão do STF", explicou Maia.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia