Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 15h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 11/05 às 15h58min

Aécio vê 'exagero na parafernália montada' para depoimento de Lula a Moro

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou nesta quinta-feira (11) que é preciso "despolitizar" o processo de investigação da Operação Lava Jato. Ele avaliou que houve um "exagero na parafernália montada" para o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na quarta-feira (10) ao juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba.
"Acho que há muita exploração midiática. Ontem (quarta, 10), por exemplo, acho que foi desnecessária toda essa exploração em torno de um depoimento que poderia ter acontecido sem essa exploração política de parte a parte", declarou.
Ele ponderou que as investigações têm que continuar, mas todos têm que contribuir para que o processo seja "menos midiático e efetivamente judicial". "Acho que isso ajuda o País a sair dessa crise", avaliou Aécio.
Presidente nacional do PSDB e candidato derrotado à Presidência em 2014, Aécio é alvo de cinco pedidos de inquérito por suposta solicitação de propinas e doações de caixa 2 à Odebrecht. Aécio foi citado nos depoimentos do herdeiro da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, do ex-diretor da empreiteira em Minas, Sérgio Luiz Neves, de Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, do ex-vice presidente da Odebrecht S.A Henrique Serrano do Prado Valladares e de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais do grupo em Brasília.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia