Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de maio de 2017. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 10/05 às 17h28min

Depoimento de Lula a Moro ganha repercussão internacional

Lula foi recebido por uma multidão de apoiadores na chegada ao tribunal

Lula foi recebido por uma multidão de apoiadores na chegada ao tribunal


RICARDO STUCKERT/INSTITUTO LULA/Divulgação/JC
O depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz federal Sérgio Moro nesta quarta-feira (10), em Curitiba, ganhou destaque em portais de notícias internacionais. As matérias tratam do embate político entre os dois e dos protestos no Brasil.
O jornal italiano La Repubblica disse que "o dia da verdade chegou" e o confronto esperado entre Lula e Moro vai acontecer. O ex-presidente é acusado de ter recebido vantagens após favorecer a empreiteira OAS. "O caso virou uma grande dor de cabeça", destaca. O La Repubblica fala ainda que o partido convocou milhares de militantes para a ocasião.
A BBC ressaltou que o depoimento vai influenciar o destino de Lula, lembrando que o petista é o candidato favorito para as próximas eleições presidenciais. Por isso, o portal afirma que Lula não estará falando apenas para o juiz. "As suas palavras serão medidas para passar a mensagem certa aos eleitores em todo o País".
Já o jornal Clarín, da Argentina, diz que o Brasil está sob tensão por causa do "explosivo encontro", que virou o assunto do dia. O depoimento é o momento para que o juiz Sérgio Moro prove suas hipóteses sobre a culpa do réu. E Lula deve demonstrar que as suspeitas são "artimanhas judiciais" que escondem uma perseguição política.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia