Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de maio de 2017. Atualizado às 22h32.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

STF

Notícia da edição impressa de 10/05/2017. Alterada em 09/05 às 21h11min

Fachin vota pela condenação de Paulo Maluf

Caso foi avaliado pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal

Caso foi avaliado pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal


CARLOS MOURA/SCO/STF/JC
O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta terça-feira por condenar o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) por crime de lavagem de dinheiro.
Para o ministro, Maluf ocultou e dissimulou dinheiro desviado da construção da Avenida Água Espraiada (atualmente chamada de Avenida Roberto Marinho), enquanto era prefeito de São Paulo (1993 a 1996).
O julgamento foi interrompido após o voto de Fachin, relator do caso, por causa do horário e deve ser retomado no dia 23 de maio.
O esquema de corrupção utilizou transações no exterior para repatriar os desvios, segundo o Ministério Público Federal.
O MPF responsabiliza Maluf por desvios de mais de US$ 172 milhões. No entanto, parte dos crimes já foi prescrita. Em seu voto, Fachin considerou desvios na ordem de US$ 15 milhões."Entendo devidamente constatada a materialidade bem como a autoria do réu Paulo Salim Maluf entre o ano de 1998 e 2006. De forma permanente ocultou e dissimulou vultuosos valores oriundos da perpetração do delito de corrupção passiva utilizando-se para isso diversas contas bancárias e fundos de investimentos situados na ilha de Jersey, abertos em nomes de empresas offshores", disse Fachin em seu voto.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia