Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de maio de 2017. Atualizado às 10h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

questão indígena

09/05/2017 - 10h42min. Alterada em 09/05 às 10h43min

Governo nomeia presidente interino da Funai e troca diretor de gestão

Depois de demitir o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), na semana passada, o governo federal publica nesta terça-feira (9) no Diário Oficial da União (DOU) novas mudanças no órgão, que é vinculado ao Ministério da Justiça, comandado pelo peemedebista Osmar Serraglio.
Para o lugar do ex-presidente Antônio Fernandes Toninho Costa, foi nomeado Franklimberg Ribeiro de Freitas, que assume o comando da Fundação interinamente. Freitas já trabalhava na instituição, como diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável, cargo do qual foi exonerado nesta terça. Além disso, o governo tirou Janice Queiroz de Oliveira da chefia da Diretoria de Administração e Gestão da Funai e a substituiu por Francisco José Nunes Ferreira.
Toninho Costa, como é conhecido o agora ex-presidente da Funai, foi demitido do cargo no última sexta-feira, dia 5. Ao saber da medida pelo Diário Oficial, embora sua saída já fosse dada como certa, ele tratou de convocar a imprensa ainda pela manhã para justificar a demissão.
Durante 12 minutos, o pastor Toninho Costa criticou duramente o governo e atribuiu sua demissão após três meses de trabalho a "ingerências políticas" que sofreu no período pela bancada ruralista liderada pelo ministro Serraglio, além da "incompetência do governo, que abandonou a Funai e as causas indígenas".
O ministro da Justiça reagiu e, por meio de nota, disse que "dada a extrema importância que o governo dá à questão indígena", a Funai precisa de uma "atuação mais ágil e eficiente, o que não vinha acontecendo".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia