Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 06 de maio de 2017. Atualizado às 11h15.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 06/05 às 11h18min

Apuração aponta rede de contas para propinas na Suíça

Ex-diretores da Petrobrás mantiveram na Suíça, segundo apontam autoridades do país, uma rede de contas em mais de uma dezena de bancos, o que permitiu a movimentação por anos de propinas a diversos beneficiários. A primeira delas teria sido aberta em 1997.
Segundo as investigações na Suíça, o ex-diretor de Serviços da estatal Renato Duque mantinha uma offshore, a Drenos, e a partir dessa conta distribuía pagamentos. Ele também controlava outra conta no banco Julius Baer. Já o ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco abriu um total de 19 contas em nove bancos na Suíça para receber propinas.
As investigações apontam que Barusco criou uma offshore, a Tropez Real State, e uma conta em seu nome, em 2004. Dez anos depois, essa conta foi fechada com US$ 13,5 milhões. Desse total, US$ 8,7 milhões eram de propinas, principalmente da empresa holandesa SBM. Em março de 2014, ele tentou fazer mais uma série de transferências. Mas com as investigações já em andamento, os suíços o impediram e bloquearam os valores.
Barusco ainda indicou que, para a abertura das contas na Suíça, utilizou os serviços do mesmo intermediário que teria ajudado Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, e que teve US$ 23 milhões bloqueados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia