Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de maio de 2017. Atualizado às 22h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 05/05/2017. Alterada em 04/05 às 20h56min

Triplex estava reservado a Lula, diz ex-diretor da OAS

O ex-diretor da OAS Roberto Moreira Ferreira afirmou, nesta quinta-feira, ao juiz federal Sérgio Moro que o triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), estava "reservado" para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O executivo foi interrogado em ação penal na qual o petista também é réu.
A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio - de um valor de R$ 87 milhões de corrupção - da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao suposto recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio do triplex no Guarujá e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016.
Roberto Ferreira afirmou que o triplex "nunca" foi colocado para venda pública. Segundo o ex-diretor, outro executivo contou a ele "que tinha reserva do apartamento e que não podia ser vendido".
"Eu recebi dele (executivo) uma planilha das unidades que estavam livres ou não para vender e as que estavam livres, eu cuidava, a partir de 2014, de vender as unidades", afirmou. "Uma reserva específica para ele (Lula), da unidade 164." O Ministério Público Federal perguntou ao ex-diretor se a unidade 164-A esteve à venda na planilha. "Nunca", afirmou.
O Edifício Solaris era da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), fundada nos anos 1990 por um núcleo do PT. Em dificuldade financeira, a Bancoop repassou para a OAS, o que provocou a revolta de milhares de cooperados - eles protestam na Justiça que a empreiteira cobrou valores muito acima do previsto contratualmente.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia