Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de maio de 2017. Atualizado às 16h53.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 04/05 às 16h54min

Atraso no calendário da reforma servirá para tirar dúvidas, diz líder do governo

O líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que o atraso no cronograma de apreciação da reforma da Previdência em virtude da invasão de manifestantes na comissão especial ontem será o tempo necessário para tirar dúvidas e convencer a base aliada da aprovação do texto. Ribeiro acredita que os deputados estão convictos da necessidade da reforma, mas que eles ainda têm dúvidas pontuais.
"É o tempo necessário para que todas essas dúvidas estejam dirimidas na base e que haja um ambiente de convencimento dentro da Casa para aprovação da matéria", disse Ribeiro.
Devido à invasão de agentes penitenciários, a sessão de apreciação dos destaques ao texto-base ficou para terça-feira (9). Ainda não há data para a primeira votação da medida em plenário.
Sinalizando que ainda não há os 308 votos necessários para aprovar, em dois turnos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), o líder disse que se trata de matéria complexa e que há detalhes que "impactam na convicção" do parlamentar, que por sua vez precisa sentir "segurança" para votar a favor do texto. "Ao sentir essa segurança, estará criado esse ambiente para se aprovar a matéria", concluiu.
O deputado negou que o atraso na votação seja uma sinalização negativa para o mercado, já que o governo vem aprovando medidas importantes, como a reforma trabalhista e o projeto da terceirização irrestrita. "Nós temos vencido em cada embate", comentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia