Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 23h15.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 03/05/2017. Alterada em 02/05 às 23h17min

Dallagnol diz que 'existem razões de sobra' para manter Dirceu preso

O procurador Deltan Dallagnol afirmou, ontem, que a terceira denúncia contra o ex-ministro José Dirceu (PT) estava sendo amadurecida e foi precipitada pela força-tarefa da Lava Jato para que novas informações, pertinentes e relevantes, possam ser consideradas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que decidiu ontem aceitar um pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Dirceu, pela liberdade do ex-ministro.
Dallagnol afirmou que a força-tarefa não apresentou novo pedido de prisão preventiva de Dirceu para não dar margem à interpretação equivocada de que estariam querendo interferir na decisão do STF.
Segundo o procurador, a denúncia traz à tona novos elementos, "que podem ser ou não considerados pelo Supremo" para decidir sobre o pedido de liberdade.
"Existem razões de sobra para manter a prisão. A prisão é extremamente necessária", afirmou Dallagnol, que havia afirmado ter convicção de que o STF manteria Dirceu preso.
Pelos crimes apresentados na denúncia, o Ministério Público Federal (MPF) pede o ressarcimento de R$ 4,8 milhões, correspondentes ao dobro dos valores ilícitos lavados. Nas três denúncias já apresentadas contra Dirceu, os procuradores apontam a lavagem de quase R$ 19 milhões entre 2007 e 2014, prioritariamente em benefício próprio do ex-ministro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia