Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de maio de 2017. Atualizado às 15h04.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 02/05/2017. Alterada em 01/05 às 21h29min

PCO e CUT organizam 'caravana' pró-Lula com destino a Curitiba

Uma banquinha do Partido da Causa Operária (PCO) montada nas proximidades do Metrô Consolação, na Avenida Paulista, durante o ato de 1º de Maio promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), começou a colher inscrições para uma caravana com destino à cidade de Curitiba.
A ideia é arregimentar o maior número de militantes e simpatizantes para uma grande manifestação na cidade, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve ser ouvido pelo juiz Sérgio Moro. Além da organização da caravana, a banquinha do PCO vende livros, botons e camisetas.
O ato da CUT na Paulista foi batizado de 1 de maio da resistência - em referência às lutas contra as reformas trabalhistas e da Previdência. Além disso, os discursos iniciais reforçaram o "Fora, Temer" e a necessidade de eleições diretas.
O deputado Ivan Valente (PSOL) ressaltou que esse 1 de maio será a consolidação "de um grande movimento contra as reformas e o governo Temer". "A partir desse dia, vamos iniciar um processo que, provavelmente, vai resultar em outro dia de mobilização e greve geral - antes que votem as reformas no Senado."
O também deputado Orlando Silva (PCdoB) afirmou que "o governo tentou acelerar a aprovação das reformas, porque sabia que, se esperasse a greve geral e o 1 de maio, o clima no País mudaria". Silva acredita que as reformas não passarão no Senado, porque 2/3 dos senadores estarão em campanha em 2018. João Doria também foi lembrado pelos sindicalistas que se manifestaram no ato. Eduardo Suplicy (PT) afirmou que a ação de Doria que dificultou a realização do ato na Avenida Paulista foi "parcial e sem sentido".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Osmar Xavier Aleixo 05/05/2017 15h04min
Eu também estou indo para Curitiba no dia dez, estarei levando um par de algemas para entregar ao depoente no final depoimento.