Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de maio de 2017. Atualizado às 23h30.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 31/05/2017. Alterada em 30/05 às 19h59min

Os trágicos efeitos da Lei Kandir

João Pedro Casarotto
À medida que o tempo passa, se acentuam as tragédias econômica e ambiental decorrentes da desoneração - originada na chamada Lei Kandir - das exportações dos produtos primários e semielaborados, como são os casos da soja e do minério. Ao postergar, indefinidamente, a regulamentação da indenização prevista na Constituição Federal pelas perdas dos estados com esta desoneração tributária, o governo central admite que elas são vultosas e permanentes.
Com a política cambial implantada em 1999 e com o grande acúmulo das reservas provenientes da exportação de commodities, o objetivo principal da desoneração se esgotou, mas, em vez de serem revogados, os dispositivos da lei foram constitucionalizados. A Lei Kandir, além de afetar sensivelmente a relação federativa, modificou o modelo de desenvolvimento previsto na Constituição Federal, que é o da substituição de importações e o da oneração dos produtos estrangeiros, beneficiando, assim, os produzidos internamente e incentivando a exportação de produtos elaborados, que geram renda, emprego, desenvolvimento tecnológico e maiores volumes de divisas para o nosso País.
Com a decisão de concentrar cada vez mais poderes via debilitação dos demais entes federativos, o governo central vai formando uma estrutura burocrática cada vez maior, que, por sua vez, procura apaixonadamente consolidar e ampliar suas competências a ponto de, na prática, tentarem transformar os governadores em meros gerentes de província.
Portanto, urge a revogação imediata destes dispositivos constitucionais, que, tragicamente, estão destruindo o modelo de desenvolvimento estabelecido pelos constituintes de 1988.
A propósito, o desastre ambiental de Minas Gerais que transformou o rio Doce em um rio de lama e contaminou as águas subterrâneas da região com altos níveis de metais pesados tem nome: Mariana; e sobrenome: Lei Kandir.
Auditor
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia