Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 00h55.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

CLIMA

Notícia da edição impressa de 01/06/2017. Alterada em 31/05 às 19h51min

EUA deve deixar o Acordo de Paris

O presidente Donald Trump deve retirar em breve os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima, conforme apuraram ontem meios de comunicação com integrantes do governo. Entretanto, as autoridades citadas ponderam que o republicano ainda não tomou uma decisão definitiva. Após a divulgação das informações, o presidente disse em uma rede social: "Eu anunciarei minha decisão sobre o Acordo de Paris nos próximos dias. Faça a América grandiosa novamente!".
Trump disse, no fim de semana, que tomaria uma decisão definitiva sobre o assunto ao longo da semana. Formulado em 2015 e assinado por 197 países, o tratado é considerado a principal iniciativa global no combate às mudanças climáticas.
Na cúpula do G-7 (grupo que reúne as sete principais economias desenvolvidas), na semana passada, na Sicília (Itália), o líder norte-americano foi pressionado por líderes mundiais a manter os EUA no pacto climático. Durante a campanha eleitoral do ano passado, Trump classificou o aquecimento global de "farsa" e ameaçou retirar o país do Acordo de Paris. O governo de Barack Obama foi um dos principais fiadores do tratado. Para o republicano, o pacto climático ameaça a capacidade produtiva dos EUA ao estabelecer limites para a emissão de poluentes.
Uma eventual saída comprometeria as metas do acordo - o país prometeu reduzir de 26% a 28% as emissões de gases do efeito estufa até 2025. Os EUA são o segundo maior emissor de gás carbônico do mundo, atrás somente da China.
Desde que chegou à presidência, Trump tem sido criticado por relaxar em controles ambientais e estimular a indústria do carvão. Sua proposta de orçamento, que está sendo debatida no Congresso, corta recursos da Agência de Proteção Ambiental.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia