Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de maio de 2017. Atualizado às 13h25.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 29/05 às 13h26min

Tive conversa 'extremamente franca' com Putin, diz Macron

O presidente da França, Emmanuel Macron, recebeu o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no Palácio de Versalhes nesta segunda-feira e disse ter tido uma conversa "extremamente fraca" e direta com o líder russo. Segundo Macron, os dois conversaram sobre terrorismo, o uso de armas químicas na Síria e a questão da guerra civil na Ucrânia.
O presidente francês exaltou as relações com Moscou, ao dizer que o diálogo com a Rússia é crucial e nunca foi interrompido. Durante a coletiva de imprensa, Macron afirmou que, nos principais assuntos, nada é possível sem um diálogo com a Rússia e que nenhum progresso pode ser possível na Síria e na Ucrânia sem uma conversa "honesta" com Moscou. De acordo com o líder francês, nenhum diálogo com a Rússia foi interrompido e a questão é crucial.
Macron comentou que, sob seu governo, a França irá trabalhar junto com os russos em relação à guerra na Síria nas próximas semanas, mas ressaltou que qualquer uso de armas químicas em território sírio levará a "represálias" por parte de sua administração. Ele ressaltou que deseja uma forte parceria com a Rússia em relação à economia e ao combate ao terrorismo. Putin também disse concordar com o presidente francês sobre a luta contra o terrorismo ser a principal entre os dois países.
Questionados sobre uma possível interferência de Moscou nas eleições presidenciais francesas, Macron afirmou que os dois não discutiram sobre o tópico no Palácio de Versalhes e que "temos que seguir em frente" em relação ao tópico. Já Putin alegou que, apesar de todas as dificuldades, as empresas francesas permanecem em solo russo e que a alegação sobre a interferência na eleição francesa "não leva a lugar nenhum".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia