Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de maio de 2017. Atualizado às 10h21.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 29/05 às 10h25min

Banco Mundial corta projeção de PIB da Índia nos 12 meses até março passado

O Banco Mundial rebaixou sua estimativa para o crescimento econômico da Índia no mais recente ano fiscal, encerrado em março, de 7% para 6,8%. O período ficou marcado pela surpreendente decisão do primeiro-ministro Narendra Modi de agir em novembro para cancelar a validade de todas as cédulas de rupias de alto valor, a fim de combater a evasão fiscal e outros crimes.
A decisão política teve como resultado um corte nos gastos das famílias. As companhias mandaram funcionários para casa e adiaram investimentos. Ainda assim, preocupações iniciais de que a política tivesse gerado uma freada brusca na economia foram exageradas, segundo Frederico Gil Sander, economista sênior do Banco Mundial concentrado na Índia. Como as pessoas sabiam que a restrição às cédulas seria temporária, os lojistas venderam produtos a crédito e os fornecedores deram às empresas mais espaço para atrasar pagamentos. "Acontece que os indianos precisam muito menos de cédulas do que no passado", afirmou Sander.
O Banco Mundial projeta que o crescimento do PIB indiano se recupere para 7,2% no atual ano fiscal e avance a 7,7% no próximo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia