Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 28 de maio de 2017. Atualizado às 22h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 29/05/2017. Alterada em 28/05 às 20h24min

Índia registra os primeiros casos de zika vírus, incluindo duas grávidas

A Índia relatou seus três primeiros casos de zika vírus, incluindo duas mulheres grávidas de bebês saudáveis. Funcionários do Ministério da Saúde informaram ontem que os três pacientes, todos no Oeste do estado de Gujarat, se recuperaram. 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, em um comunicado divulgado na sexta-feira, que os três casos que a Índia reportou em 15 de maio foram detectados através de uma vigilância de rotina em um hospital em Ahmadabad, capital de Gujarat. As ocorrências foram diagnosticadas em fevereiro e novembro do ano passado, enquanto um terceiro caso foi detectado em janeiro deste ano.
A médica Soumya Swaminathan, que chefia o Conselho Indiano de Pesquisa Médica, ligado ao Ministério da Saúde, informou que todos os pacientes foram infectados localmente, uma vez que nenhum viajou ao exterior. O zika vírus é transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.
Artigo publicado na revista médica Lancet indicou que 2,6 bilhões de pessoas que vivem em partes da Ásia e da África podem estar em risco de infecção pelo zika, com base na análise de viagens, clima e padrões de mosquitos nessas regiões. Embora o zika tenha sido identificado pela primeira vez em 1947, o vírus não foi considerado uma grande ameaça para a saúde até que um grande surto no Brasil em 2015 revelou que a contaminação de mulheres grávidas pode levar a graves defeitos congênitos nos bebês.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia