Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 28 de maio de 2017. Atualizado às 22h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

África do Sul

Notícia da edição impressa de 29/05/2017. Alterada em 28/05 às 20h23min

Críticos propõem renúncia de Zuma e pedem moção de desconfiança

Críticos do presidente da África do Sul, Jacob Zuma, dentro do seu próprio partido, o Congresso Nacional Africano (CNA), pediram sua renúncia ontem, em meio à preocupação com corrupção nos níveis mais altos do governo, mas o presidente ainda mantém um apoio significativo no partido.
No fim de semana, opositores propuseram uma moção de desconfiança contra Zuma em uma reunião de líderes do CNA, que governa a África do Sul desde 1994. Muitos atribuem o mau desempenho do CNA nas eleições locais no ano passado a escândalos relacionados ao presidente.
A moção foi proposta pelo membro do partido Joel Netshitenzhe e apoiada pelo ministro da Saúde e seu adjunto, bem como outros destacados políticos. Entretanto, o presidente da reunião do Comitê Executivo Nacional não permitiu o debate sobre a moção porque ela não estava na agenda.
Zuma sobreviveu a um movimento similar em novembro, mas o mal-estar dentro do partido cresceu depois que ele demitiu Pravin Gordhan do Ministério das Finanças em uma remodelação do gabinete. Gordhan era amplamente respeitado.
Os laços de Zuma com a família Gupta, empresários imigrantes indianos acusados de tentar manipular os principais líderes do governo para obter ganhos financeiros, também despertam debates. A edição deste domingo do Sunday Times publicou reportagem sobre e-mails supostamente mostrando o controle dos Guptas sobre alguns ministros e estatais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia