Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 16h08.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 25/05 às 16h12min

Tribunal dos EUA veta decreto de Trump para barrar imigrantes de alguns países

Um tribunal de apelações sediado na Virgínia rejeitou nesta quinta-feira o pedido do governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que volte a vigorar um decreto revisado de Trump sobre a imigração. Na avaliação da corte, o presidente deve ter agido com motivações impróprias ao tentar barrar temporariamente a entrada no país de viajantes de seis países de maioria muçulmana.
"Nós avaliamos que o observador razoável iria concluir que o propósito primário é excluir pessoas dos Estados Unidos com base em suas crenças religiosas", afirmou o juiz Roger Gregory.
A decisão é mais uma de uma série de derrotas jurídicas para a Casa Branca. Com ela, o governo pode recorrer à Suprema Corte. Caso esta intervenha no assunto, esse se tornaria um teste importante do poder presidencial, menos de um ano após a posse.
A decisão do Quarto Circuito judicial validou a decisão do juiz de Maryland que em março impediu que o presidente implementasse uma proibição de 90 dias da chegada de pessoas de Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. Trump disse que as restrições, firmada em 6 de março, seriam necessárias para proteger o país de ameaças terroristas. Já as contestações ao decreto alegavam que o presidente tentava fazer valer declarações de campanha sobre barrar muçulmanos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia