Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h54.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

França

Notícia da edição impressa de 12/05/2017. Alterada em 11/05 às 20h58min

República em Frente! lança candidatos para legislativas

O movimento República em Frente!, do presidente eleito da França, Emmanuel Macron, de 39 anos, enfrentou um primeiro percalço nesta quinta-feira ao apresentar sua lista de candidatos às eleições legislativas de 11 e 18 de junho. Em vez dos 577 nomes esperados, o movimento anunciou apenas 428. Os demais serão decididos durante os próximos dias, antes do prazo final de inscrição, em 19 de maio.
O atraso está relacionado à sua inexperiência - a República Em Frente! foi criada há apenas um ano e não tem hoje nenhum parlamentar -, mas também à enxurrada de candidaturas motivadas pela recente vitória de Macron.
Ele derrotou Marine Le Pen, da direita ultranacionalista, com 66% dos votos contra 34%. Das 19 mil pessoas inscritas desde janeiro para representar o movimento, mais de 1.600 enviaram seus nomes apenas nos últimos dias.
Entre os interessados nas vagas estava o ex-premiê socialista Manuel Valls (no governo entre 2014 e 2016). Porém, não foi escolhido para representar a sigla.
A cuidadosa escolha dos candidatos para cada circunscrição é fundamental ao futuro da República Em Frente! e também de Macron, que toma posse no dia 14. Se não tiver a maioria dos assentos, ele terá dificuldades para governar.
Tamanha é a importância das legislativas que elas são conhecidas como o "terceiro turno" das eleições presidenciais. Se tiver minoria, Macron será obrigado a aceitar um premiê vindo de outra força política e perderá, assim, parte de sua influência. Nesse cenário, chamado de "coabitação", o papel do presidente costuma ficar reduzido a poderes como diplomacia e defesa. Isso não ocorre desde 2002.
 

Macron precisa atingir maioria para implementar reformas

Macron foi eleito com a proposta de renovar a política. Os eleitores estão descontentes com o Partido Socialista, no governo, e com os conservadores Republicanos. Dentro desse projeto, 52% dos candidatos anunciados à legislativa vêm da sociedade civil e nunca foram antes eleitos a cargos públicos, caso do próprio presidente. Há 24 ex-legisladores socialistas e nenhum conservador.
A maior parte dos candidatos é desconhecida do grande público. Entre os veteranos está Gaspard Gantzer, um assessor de comunicação do atual presidente, o socialista François Hollande.
A lista da República Em Frente! divide os candidatos igualmente entre homens e mulheres: 214 de cada lado. A média de idade é de 46 anos, enquanto a da legislatura atual é 60 anos. Eles foram escolhidos, segundo o movimento, de acordo com critérios como empatia e o conhecimento da plataforma. A inscrição incluía um currículo e uma carta de motivação.
Macron espera ter a maioria na Assembleia Nacional para implementar as reformas prometidas em sua campanha, como a das leis trabalhistas. Com isso, busca lidar com o desemprego de 10% e o crescimento de 1,2% do PIB.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia