Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h54.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 12/05/2017. Alterada em 11/05 às 20h57min

Interino do FBI desmente Casa Branca

'Não se pode impedir o FBI de fazer a coisa certa', afirmou McCabe

'Não se pode impedir o FBI de fazer a coisa certa', afirmou McCabe


ALEX WONG/ALEX WONG/GETTY IMAGES/AFP/JC
O diretor interino do FBI (polícia federal), Andrew McCabe, contradisse a Casa Branca nesta quinta-feira, afirmando que o ex-diretor James Comey não havia perdido a confiança dos agentes antes de ser demitido esta semana. 
Ao ser questionado, em audiência no Comitê de Inteligência do Senado, se os funcionários do FBI não acreditavam mais em seu antecessor e ex-chefe, como afirmou a vice-porta-voz da Casa Branca Sarah Huckabee Sanders, na quarta-feira, McCabe negou. "Isso não é correto. O diretor Comey tinha grande apoio dentro do FBI e ainda tem hoje em dia", disse McCabe, que assumiu temporariamente as funções. "Posso dizer com segurança que a vasta maioria dos funcionários do FBI tinha uma conexão profunda e positiva com ele."
A previsão, antes da demissão do diretor, é que Comey participasse dessa audiência para discutir "as ameaças pelo mundo", ao lado do diretor da CIA (serviço secreto), Michael Pompeo, do diretor da NSA (Agência de Segurança Nacional), Michael Rogers, e do diretor de Inteligência Nacional, Daniel Coats.
O tema principal do evento, no entanto, acabou se tornando a saída de Comey do governo.
McCabe se recusou a responder algumas perguntas, como quando seu antecessor teria afirmado ao presidente Donald Trump que ele não estava sob investigação do FBI.
Na carta de demissão de Trump a Comey, o presidente afirma que o então diretor teria informado a ele três vezes que não estava sendo investigado sobre possíveis laços com a Rússia antes das eleições. Comey conduzia a investigação para apurar se houve ligações entre membros da equipe de Trump e Moscou durante a campanha à presidência e se o governo russo interferiu no pleito de 2016.
A Casa Branca afirma que a demissão de Comey foi motivada por seu "erro" de não recomendar, em julho de 2016, o indiciamento da ex-secretária de Estado Hillary Clinton - que disputava a presidência com Trump - pelo uso indevido de e-mails. Entretanto, informações como a divulgada na quarta-feira, de que Comey teria pedido mais verbas para a apuração sobre a Rússia dias antes de ser demitido, reforçam a suspeita de que a demissão está ligada a essa investigação.
Questionado pelo senador republicano Marco Rubio sobre a continuidade das investigações, McCabe disse que a demissão de Comey não afetou o trabalho do FBI. "O trabalho continua, apesar das mudanças nas circunstâncias", afirmou. "Não houve nenhum esforço para impedir a nossa investigação até agora. Você não pode impedir os homens e as mulheres do FBI de fazerem a coisa certa", completou McCabe.
Ele se comprometeu ainda a alertar o Congresso se houver qualquer tentativa de barrar as investigações sobre as ligações de membros da equipe de Trump com a Rússia. McCabe também afirmou que não vai apresentar à Casa Branca atualizações sobre o mesmo tema.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia