Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 15h08.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

11/05/2017 - 15h07min. Alterada em 11/05 às 15h09min

Em entrevista, Trump contradiz Casa Branca sobre demissão de diretor do FBI

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estava decidido a demitir o diretor do FBI, James Comey, mesmo antes de ouvir a opinião do Departamento de Justiça.
A afirmação, feita pelo próprio republicano em entrevista à rede de televisão NBC, contradiz um comentário da Casa Branca na quarta-feira, quando foi oficializada a saída de Comey. Na ocasião, a vice-porta-voz Sarah Huckabee Sanders afirmou que a decisão foi tomada após o secretário de Justiça, Jeff Sessions, e seu vice admitirem a Trump preocupações sobre o então diretor do Escritório Federal de Investigação.
Na entrevista, Trump também afirmou que o órgão estava passando por problemas sob a administração de Comey, a quem chamou de "pavão".
"Olhe, ele gosta de aparecer, o FBI estava uma bagunça. Todos sabem disso. Um ano atrás, o FBI estava um caos e não se recuperou desde então", afirmou o republicano.
Trump também disse ter perguntado explicitamente a Comey se ele, o presidente, estava sendo investigado como parte do inquérito aberto pelo FBI sobre a suposta intervenção russa na campanha de 2016.
"Eu perguntei, sim", disse. "Ele respondeu que não".
O diretor interino do FBI, Andrew McCabe, não confirmou esse diálogo durante a audiência no Senado que trata do caso. MacAbe também negou que Comey tenha perdido a confiança de seus subalternos no órgão. (Marcelo Osakabe)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia